segunda-feira, 8 de maio de 2017

O Suicídio (Soneto Livre)














Como folha de outono bailando ao vento
Perdida no tempo procurando se encontrar
No peito a dor plangente, quanto desalento
Mostrando que a vida já não pode continuar

Como um canto de despedida, uma triste carta
Expondo o fim da caminhada, sem mais armas
Que lhe ajudem a reerguer-se, da vida se aparta
Num ato covarde dá por encerrado o seu drama

Incompleta ficou sua trajetória terrena
E nesse ataúde repousas tão serena
Para mais tarde receber o último adeus

O adeus que encerra a história de uma vida
Que por desconhecido motivo foi banida
Quiçá, pudesse eu impedir o fim dos dias seus!

dinapoetisadapaz